Processo é um termo que indica a ação de avançar, ir para frente e é um conjunto sequencial e particular de ações com um objetivo comum. O processo pode ter os mais variados propósitos: criar, inventar, projetar, transformar, produzir, controlar, manter e usar produtos ou sistemas.

Quando criamos ou desenvolvemos um processo, buscamos, com isso, criar uma cadeia de ações e/ou uma ferramenta que irá desempenhar uma função constante e eficaz, de forma objetiva mais de uma vez e com o menor gasto possível de custos e energia. Esta ”forma”, ou seja, este modelo é um agregador de ganhos e velocidade na criação e na propagação de meios de produção!

Mas e no Marketing Humanista como esta relação acontece? Como podemos ganhar tempo e valor, desenvolvendo produtos que sejam customizados e otimizados através de um processo? E de que maneira criamos este mesmo processo?

O Processo deve ter uma preocupação do início ao fim da entrega do produto/serviço. Um processo é um conjunto de atividades estruturadas, com medidas destinadas a resultar em um produto específico para um determinado cliente ou mercado.

Os processos e projetos são ações que constroem a rotina e o funcionamento da organização. Eles garantem sustentação ao trabalho e o propósito da equipe, independentemente do ramo ou do porte da empresa.

Podemos fazer uma analogia de Processo com um mapa, onde o processo guia a empresa, gerando resultados constantes e padronizados. Ele deve ser permanente e replicável, de forma que corresponda à forma pela qual a organização trabalha, agregando valor às entregas para os clientes. No Marketing Humanista além de todo esse controle, ainda temos a preocupação desde o começo, até o final do processo com as pessoas envolvidas, mantendo a dignidade, integridade e bem-estar de todos que se envolvem no processo.

Toda empresa ou profissional deve, portanto, pensar em como seu trabalho, criação e/ou produto deve ser otimizado para que possa ser realizado da melhor maneira e no menor tempo possível, economizando, assim, recursos, energia e mão de obra. Esta otimização é o que muitas vezes pode definir, no fim das contas, se um produto é viável ou não. Vantajoso ou ineficiente do ponto de vista operacional e se há valor em seu uso, propagação e vendas.

Todo processo deve ser desenvolvido levando-se em consideração os mecanismos mais acessíveis à empresa e ao profissional. Deve ser pensado de forma clara e sistematizada, e deve, acima de tudo, ser baseado em um sistema empírico, ou seja, na experiência e comprovação de parâmetros que possam definir de forma eficaz sua realização posterior. Caso contrário não seria um processo.

Todos os produtos e serviços tem um processo, ou melhor, tem uma maneira de ser realizado de forma constante e eficiente. No Marketing Humanista o produto e seu consequente valor dependem de como as pessoas envolvidas são impactadas direta ou indiretamente por este produto, sendo elas, as protagonistas na elaboração deste processo, o processo de criação do produto. Isso nos faz pensar que, se o produto tem seu processo, baseado no bem estar, na integridade e na dignidade das pessoas, como então deve ser o processo? Deve ser diferente de outros processos tradicionais?

A maior diferença do um processo tradicional é a forma como  enxergamos os seres humanos envolvidos em toda a elaboração, criação, desenvolvimento, vendas e pós vendas do produto. É pensar em como o produto vai valorizar o ser humano e, consequentemente, ter mais valor agregado, sendo um ganho para todos os envolvidos. Os processos de um produto  e serviço no Marketing Humanista são muito parecidos com o do marketing mais tradicional, quais sejam: Ideia, Planejamento, Análise de Mercado, Desenvolvimento, Validação e Lançamento. A estes, porém, acrescentamos mais uma etapa, a ”cereja” do bolo do processo: a humanização.

A Ideia é o marco inicial de todo produto, serviço e demais atos e coisas do mundo. Planejamento é a forma como organizamos e, assim, resolvemos os  problemas e superamos desafios. A Análise de Mercado deve ser realizada de forma que possamos entender e compreender o meio pelo qual queremos desenvolver algum negócio. Desenvolvimento é a criação e medição do desempenho de determinado produto ou serviço. Validação é a forma como testamos e aperfeiçoamos o produto. Uma vez cumprida todas estas etapas, temos o lançamento, definido como o real momento de propagar e vender o produto e, a partir disso, gerar receitas.

Todos estes processos de lançamento de um produto, só são possíveis quando se há um outro processo em andamento de forma conjunta, a saber, a Humanização.

Trata-se de uma forma de fazer o que fazemos, preocupando-se com as pessoas envolvidas no dia a dia da organização e de como o lançamento deste produto vai impactar, não só a vida dos consumidores finais, mas também de colaboradores, fornecedores e demais envolvidos direta ou indiretamente.

Por fim, precisamos entender a real importância do processo na vida de qualquer projeto, produto ou serviço, desde a sua elaboração até a venda e o consequente consumo. Isso é fundamental para elaborarmos algo que realmente faça a diferença na vida das pessoas, e assim, também poderemos ”humanizar” este produto, gerando mais valor e mais Marketing com viés humanista.


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *